E-BOOKS

A diplomacia marginal: vincula√ß√Ķes pol√≠ticas entre o Rio Grande do Sul e Uruguai (1893 - 1904) - 2¬™ Edi√ß√£o

  • Print

Autora:

Ana Luiza Setti Reckziegel

 

 

 

DOWNLOAD PDF   

 

 

Edição: 2

Ano: 2015

Páginas: 359

ISBN: 978-857515-882-1

Palavras-Chave: História, Diplomacia, Política social, Rio Grande do Sul, Uruguai.

√Āreas do conhecimento:¬†Hist√≥ria

O tema deste livro √©, precisamente, o inter-relacionamento rio-grandense-uruguaio, balizado cronologicamente no per√≠odo de 1893-1904 e, factualmente, abarcando a Revolu√ß√£o Federalista de 1893, no Rio Grande do Sul, e as revolu√ß√Ķes de 1897 e de 1904, no Uruguai. O per√≠odo em que se situa a investiga√ß√£o das conex√Ķes entre rio-grandenses e uruguaios caracteriza-se por um contexto de instabilidade pol√≠tica decorrente das situa√ß√Ķes de guerra, no qual mereceram destaque as imbrica√ß√Ķes internacionais. Afora obras de car√°ter geral, n√£o h√° uma sistematiza√ß√£o espec√≠fica a respeito das vincula√ß√Ķes entre os n√≠veis local e internacional. A pesquisa que desenvolvemos prop√Ķe-se, desse modo, a interpretar o tema com base no par√Ęmetro de internacionalidade da regi√£o em foco, isto √©, ao observar os fatos que ali se desenrolam naquele per√≠odo, constatamos que foram tribut√°rios de influ√™ncias externas at√© agora escassamente avaliadas em sua dimens√£o mais ampla.

Demonstraremos que se estabeleceu entre o Rio Grande do Sul e Uruguai, durante o per√≠odo 1893-1904, uma verdadeira diplomacia marginal, isto √©, os acontecimentos que envolveram rio-grandenses e uruguaios escaparam √† chancela do governo federal, que se viu atrelado ao governo do Rio Grande do Sul, que, em √ļltima inst√Ęncia, determinou uma pol√≠tica externa contempladora do projeto de poder do Partido Republicano Rio-Grandense, o qual desconsiderava qualquer possibilidade de oposi√ß√£o. Em raz√£o de os federalistas terem se refugiado no Uruguai e de ali terem tra√ßado suas estrat√©gias de resgate do poder, as rela√ß√Ķes com esse pa√≠s ganharam uma dimens√£o alargada para o castilhismo-borgismo, que fez da diplomacia marginal um dos pilares mais importantes na constru√ß√£o de sua hegemonia.